Dilma cancela ida ao Rio e cria comitê para discutir crise na saúde do estado

Presidente cancelou evento do qual participaria na cidade nesta terça.
Dilma chamou ao Planalto ministros e presidentes de bancos públicos.

dilma-rousseffApós cancelar uma viagem que faria ao Rio de Janeiro nesta terça-feira (23), a presidente Dilma Rousseff chamou ministros ao Palácio do Planalto e decidiu criar um comitê para resolver a crise na saúde no estado do Rio, informou o ministro da Saúde, Marclo Castro.

Na última segunda-feira (21), a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, a Defensoria Pública da União, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e o Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro formaram um gabinete de crise para cobrar das autoridades soluções para os problemas enfrentados pela saúde no Estado do Rio.

Nesta terça (22), o governador do Rio de Janeiro informou que o estado precisará de cerca de R$ 350 milhões para reabrir todas as emergências de hospitais estaduais que estão fechadas por problemas no pagamento dos salários de funcionários e por falta de insumo.

Pela manhã, além de Dilma e Castro, se reuniram no Palácio do Planalto o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, e os presidentes do Banco do Brasil, Alexandre Abreu, e da Caixa Econômica, Miriam Belchior. Segundo Castro, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, também participou do encontro por teleconferência.

“Na parte da saúde, estamos constituindo o gabinete de crise. […] Neste gabinete, vamos unir as redes federal, estadual e municipal para fornecer equipamentos que forem necessários, medicamentos que forem necessários, transferência de pacientes e para encontrar uma solução o mais urgentemente possível para o problema da saúde que está grave no momento no Rio”, disse o ministro da Saúde após a reunião.

Conforme a agenda prevista inicialmente para esta terça, divulgada pela Secretaria de Imprensa, Dilma participaria pela manhã da inauguração do Parque Radical Deodoro, uma das obras das Olimpíadas de 2016, mas, segundo o Palácio do Planalto, decidiu cancelar a viagem para convocar a reunião com os ministros em seu gabinete.

Na entrevista desta terça, Marcelo Castro afirmou que Pezão não pediu apoio do Exército para atuar no Rio de Janeiro. Conforme o ministro da Saúde, “na hora em que houver solicitação, o Exército estará à disposição”.

Perguntado sobre como vai funcionar o gabinete de crise, Marcelo Castro afirmou que representantes da Secretaria de Atenção à Saúde da pasta irão ao Rio se reunir com Pezão e o prefeito da capital, Eduardo Paes. Segundo ele, o objetivo do encontro será a “construção” do comitê para, conjuntamente, tomarem as decisões necessárias para reduzir.

“A coordenação nossa, federal, com toda a rede federal à disposição, toda rede estadual e toda rede municipal agindo em sinergia, agindo em harmonia, vendo e distribuindo as tarefas, transferindo doentes, se for necessário, levando equipamentos, medicamentos, ou seja, tomando todas as decisões necessárias para amenizar o problema que estamos passando, problemas emergenciais que estamos passando no Rio de Janeiro”, disse Castro.

 

Fonte: G1

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here