Delação complicaria Lula e PT

. Imóveis de ex-presidente e pagamentos a caixa 2 do partido estariam entre as revelações de Pinheiro

image (1)

Curitiba. O empresário José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, dono da OAS, admitiu a pessoas próximas fechar um acordo de delação premiada com investigadores da Procuradoria Geral da República (PGR) responsáveis pela operação Lava Jato. Um dos empresários mais próximos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele deve contar, numa eventual colaboração, detalhes sobre o esquema de corrupção na Petrobras e sobre obras feitas pela empreiteira em imóveis de Atibaia e do Guarujá para a família do petista.

Segundo o jornal “O Estado de S.Paulo”, o acordo com investigadores ainda não foi formalizado, mas voltou ao radar do empresário depois que o Supremo Tribunal Federal (STF), num novo entendimento, autorizou a execução de prisões após a confirmação de sentenças em segunda instância – antes, isso ocorria após o trânsito em julgado, com o esgotamento de todos os recursos da defesa.

Outro fator levado em consideração foi a apreensão, pela Polícia Federal, de mensagens de celular trocadas por Léo Pinheiro com outros executivos e dezenas de políticos. A avaliação é de que o material pode comprometê-lo ainda mais, fundamentando novo decreto de prisão.

 

“Bombástico”. Léo Pinheiro já foi condenado a 16 anos e quatro meses de prisão por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras e aguarda decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

O empresário foi preso preventivamente em novembro de 2014. Pinheiro chegou a cogitar delação premiada, mas foi solto no ano passado, por ordem do STF, sem concretizar a colaboração, o que voltou a avaliar.

A negociação está sendo feita com a PGR, e não com a força-tarefa de procuradores federais de Curitiba, por envolver parlamentares com foro privilegiado. De acordo com a “Folha de S.Paulo”, a expectativa dos investigadores é que será a delação mais bombástica da Lava Jato, que já soma 40 colaboradores.

Ele deve dizer que a OAS preparou o apartamento do Guarujá para Marisa, mulher de Lula, e que, posteriormente, ela não quis ficar com o imóvel. Ele também deve confirmar que a empresa bancou parte das reformas no sítio em Atibaia.

Ainda segundo a “Folha”, Pinheiro contará que pagou dívidas da campanha de Dilma Rousseff de 2010 para a agência Pepper, que cuidava da imagem de Dilma nas redes sociais – e recebeu R$ 717 mil da OAS.

Anteontem, foi revelado que outra empreiteira, a Andrade Gutierrez, relatou, em delação, ter pago cerca de R$ 6 milhões à Pepper, também em 2010, por meio de caixa 2. A agência nega.

Mais delações

OAS. Outros executivos da empreiteira, como Agenor Franklin Magalhães Medeiros, também vão participar do acordo, relatando casos de corrupção. A informação é do jornal “Folha de S. Paulo”

Caso Delcídio

Relator . O Conselho de Ética do Senado sorteou ontem o senador Telmário Mota (PDT-RR), vice-líder do governo, como relator do processo de cassação contra Delcídio do Amaral (PT-MS).

Prisão. Delcídio passou mais de 80 dias preso após ser flagrado em gravação oferecendo R$ 50 mil por mês e um plano de fuga para o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, não fechar acordo de delação premiada com o MP para a Lava Jato.

João Vaccari fica em silêncio em audiência sobre triplex 

 

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto recusou-se ontem a responder perguntas do promotor de Justiça Cássio Conserino, que investiga o ex-presidente Lula e o triplex no Condomínio Solaris, em Guarujá, litoral paulista. “Vou exercer o direito ao silêncio”, repetiu várias vezes Vaccari Neto. 
Preso na operação Lava Jato desde abril de 2015, o ex-tesoureiro já foi condenado em uma ação penal por corrupção e lavagem de dinheiro. Ele aguarda sentença em outro processo criminal em que é réu por repasse de propinas para o seu próprio partido, disfarçadas de doação oficial, no montante de R$ 2,4 milhões. 
 
Vaccari presidiu a Cooperativa Habitacional dos Bancários do Estado de São Paulo (Bancoop) entre 2005 e 2010. A Bancoop foi a responsável pelo Solaris até que entrou em declínio e transferiu a obra para a OAS, empreiteira cujo dono, Léo Pinheiro – também alvo da Lava Jato –, é muito próximo de Lula. 
 
A suspeita de Conserino é que o ex-presidente seria o verdadeiro proprietário do triplex, o que é negado enfaticamente pelos advogados do petista. O promotor investiga se a OAS bancou reforma milionária no imóvel, promovendo adaptações e até instalação de cozinha de alto padrão para presentear a família de Lula.
 
O promotor pretendia obter novas informações no interrogatório de Vaccari, mas o ex-tesoureiro permaneceu em silêncio durante a audiência, realizada em Curitiba. 
O promotor pretende ouvir Lula, a ex-primeira dama Marisa Letícia e o filho do casal Fábio Luiz. Mas a família Lula já avisou, por seus advogados, que não vai à audiência marcada para hoje. Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira, defensores do petista, enviaram explicações à Promotoria e ingressaram com pedido de habeas corpus preventivo no Tribunal de Justiça de São Paulo para evitar o risco de uma condução coercitiva. 
Fonte: otempo

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here