CACAULÂNDIA: Homem é executado com mais de 10 tiros em local onde aconteceram outros quatro assassinatos

DSC_1314 cópiaPor volta das 05h30min desta quinta-feira, (25/02), a vítimaLuciano Rosa de Souza, de 29 anos, conhecido por Teixeira, estava chegando em seu sítio localizado no Km-04 da RO-140, a cerca de 500 metros após a ponte sobre o Rio Quatro Cachoeiras, sentido Cacaulândia, com sua esposa R.P.S. de 20 anos e uma filha de 02 anos de carona. Quando Luciano desceu para abrir a porteira, dois elementos desconhecidos saíram de um matagal situado do outro lado da estrada atirando com armas de fogo tipo pistolas de calibre .380 mm. Luciano, ao ser atingido, caiu ao solo agonizando, momento em que os elementos se aproximaram e continuaram atirando na vítima, sendo que a esposa foi atingida com um disparo na perna esquerda causando fratura. A filha do casal caiu sobre o corpo do pai e gritava “acorda papai, acorda papai”. Na sequência os elementos se evadiram do local tomando rumo ignorado. Um vizinho de sítio que escutou os estampidos provocados pelos disparos foi um dos primeiros a chegar na cena do crime e providenciou socorro para a mulher e para a criança ao Hospital Municipal de Cacaulândia, de onde foi conduzida para o Pronto Socorro em Ariquemes. Policiais Militares de Cacaulândia e a Polícia Técnica de Ariquemes foram acionados e localizaram na cena do crime, 36 estojos deflagrados de calibre .380 mm, sendo que no Instituto Médico Legal (IML) em Ariquemes foram constatados 13 perfurações de entrada no corpo da vítima e um corte profundo no pescoço. A guarnição encontrou em um dos bolsos da calça da vítima três munições de calibre .38 mm, um coldre de cor preto e um aparelho celular. Mediante os fatos a Ocorrência nº 065/16, foi registrada na Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Vida, que já está investigando o caso.

CASOS MACABROS:

Luciano foi à quinta vítima de morte violenta na localidade, sendo que a primeira vítima foi o Policial Militar Rivaldo, que trabalhava em Cacaulândia. O PM tinha ido ao local averiguar uma informação do outro lado da estrada um ou dois veículos que estavam estacionados próximos da mata em atitude suspeita. O Policial, ao se aproximar foi recebido a tiros, momento em que deu marcha à ré na viatura e mandou seu companheiro fugir, pois havia sido atingido e sabia que ia morrer. Vizinhos contaram que escutaram o Policial gritando por socorro, mas com medo ninguém foi ao local averiguar o que estava acontecendo. O caso aconteceu a mais de 10 anos e até hoje repercute na sociedade cacaulandiense. O segundo e o terceiro a morrer no sítio foram dois elementos desconhecidos que não foram identificados, quando invadiram o local para roubar. O fato aconteceu por volta das 20 horas do dia 22 de novembro de 2012, quando a dupla rendeu um agricultor de 63 anos que residia na propriedade. Um dos bandidos de posse de uma arma de fogo tipo escopeta começou a agredir o idoso juntamente com seu comparsa que segurava uma faca. A vítima não se intimidou e com uma mão segurou o cano da arma e com a outra agarrou a faca e entrou em luta corporal com os bandidos. O barulho acordou Adelmo de Souza Furtuoso, de 26 anos, filho do idoso, que estava dormindo em um quarto ao lado, o qual levantou e ao ver o seu pai sendo atacado pegou uma espingarda, aparentemente calibre .16 e surpreendeu os assaltantes pedindo para que os mesmo soltassem seu pai. O elemento que se encontrava com a escopeta puxou o gatilho contra o idoso de 63 anos, mas a arma mascou, vindo a não disparar, momento em que o filho da vítima efetuou um disparo contra os bandidos, atingindo primeiro o que se encontrava com a escopeta. O segundo elemento investiu com a faca contra o idoso, sendo que o rapaz efetuou outro disparo atingindo o ombro do elemento que saiu correndo para dentro da mata nas imediações, sendo encontrado posteriormente sem vida. A quarta vítima foi o jovem Adelmo de Souza Furtuoso, de 28 anos, que matou dois bandidos que agrediam o seu pai no referido sítio no ano de 2012. O rapaz foi executado na tarde de 23 de fevereiro de 2014, sendo que na data do crimeinformaram que ouviram tiros na propriedade, mas não viram nada. O pai passou a realizar buscas e acabou localizando o corpo de seu filho embaixo de uma árvore, já sem vida, apresentando sete tiros na cabeça. Luciano Rosa de Souza, última vítima deste local, cumpria Albergue por Porte Ilegal de Arma de Fogo, sendo preso em duas oportunidades. Também era suspeito de crimes na cidade de Jaru que estão sendo investigados pela Polícia Civil. Ele foi a quinta vítima que perdeu a vida no sítio.656d3bbb-91a1-4d05-aa89-4c2b1c4a2f60

 

 

 

 

 

Fonte: Ariquemes190

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here