Três suspeitos de chacina com cinco mortos seguem foragidos, em RO

Cinco homens foram indiciados pelas mortes; dois já estão presos.
Investigações apontam que crime teria sido motivado por disputa de terras.

enilton_procopio
Enilton Procópio continua foagido da Justiça, em Vilhena (Foto: Arquivo Pessoal)

Três homens suspeitos de estarem envolvidos na chacina que deixou cinco mortos em Vilhena (RO), na região do Cone Sul, continuam sendo procuradas pela Polícia Civil. O crime aconteceu no dia 17 de outubro de 2015. Conforme a polícia, cinco homens foram indiciados pelas mortes, sendo que dois foram presos e três continuam foragidos da Justiça.

Um dos suspeitos de estar envolvido na chacina foi preso no dia 28 de outubro pela Polícia Civil. Segundo as investigações, Eber Maciel da Costa estaria armado e pilotando a motocicleta para o suspeito Ilario Daneli no dia do crime. Testemunhas informaram que Ilario é o autor das mortes de José Bezerra dos Santos, João Pereira Sobrinho e Dagner Lemes Pereira, de 17 anos. Ele continua foragido.

Além de Ilario, a polícia identificou Marlos de Souza Cândido, Enilton Procópio e Edson Marcelino da Silva como suspeitos da chacina, e teve o mandado de prisão preventiva autorizado pelo judiciário. Edson foi preso no dia 16 de dezembro de 2015, mas a polícia não revelou na época. “Não falamos, pois pretendíamos prender os outros também, porém, eles não foram localizados”, explica o delegado regional, Fábio Campos.

: Ilario Danelli é apontado como um dos suspeitos de participar da chacina (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)
Ilario Daneli é apontado como um dos suspeitos e está foragido (Foto: Polícia Civil/ Divulgação)

De acordo com a polícia, os presos não confessam o crime e colocam a culpa em Ilario. “Eles dizem que ele [Ilario] é quem estava armado e dizendo que já havia matado e que iria matar mais gente. Mas durante as investigações, ficou comprovado que Ilario teve o auxílio de mais pessoas. Esperamos que a própria população nos ajude a localiza-los”, enfatiza o delegado.

Durante a apuração do crime, a polícia também identificou Pedro Arrigo como suspeito, e pediu sua prisão preventiva. No entanto, a defesa alegou que Arrigo não estava na cidade no dia do crime, e apresentou imagens de câmeras de segurança de um estabelecimento comercial, no Mato Grosso do Sul (MS), nas quais ele aparece.

O Poder Judiciário de Rondônia concedeu a revogação do pedido de prisão preventiva de Pedro Arrigo no dia quatro de dezembro. A Polícia Civil ainda não tem imagens do terceiro sspeito qu está foragido, Marlos de Souza.

Chacina
No dia 17 de outubro, cinco pessoas foram mortas em uma fazenda de Vilhena. As investigações apontam que o crime teria sido motivado por disputa de terras. Dentre os mortos, estão dois idosos e um adolescente de 17 anos.

Na época, o delegado responsável pelo caso, Fábio Campos, disse que seis pessoas armadas chegaram em três motocicletas na propriedade e realizaram os homicídios. O local passou por uma reintegração de posse dois dias antes da chacina.

“Eles chegaram atirando. Depois atearam fogo na casa onde as vítimas tentavam se esconder. Houve pessoas ali que estavam vivas, morreram não pelo tiro, mas em razão do incêndio. Foram queimadas vivas na verdade”, disse na ocasião.

 

 

Fonte: G1

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here