Briga teria sido motivada porque o pai não queria que Guilherme Neto, que é filho de uma delegada aposentada, participasse de protesto em escola

500x281_o_1b1m9qc9m1uc11bso1jdhqc1q0ba

Uma discussão familiar provocou, no final da tarde desta terça-feira (15/11), uma tragédia no Setor Aeroporto, em Goiânia. Após discutir com o filho de 20 anos, o engenheiro Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos, atirou nele e em seguida contra a própria cabeça.

 

O assassinato seguido de suicídio, que aconteceu no cruzamento da Avenida República do Líbano esquina com a Rua 59 A, foi filmado pela moradora de um prédio próximo. Após estacionar o veículo, Alexandre José desceu do carro e foi conversar com o filho Guilherme da Silva Neto, de 20 anos, que estava sentado na calçada.

Após uma rápida discussão, o engenheiro abraçou o filho, atirou contra ele e em seguida na própria cabeça. O jovem morreu na hora. Alexandre José chegou a ser socorrido pelos Bombeiros, mas morreu logo após dar entrada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

Agentes da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH) que estiveram no local foram informados, através do relato de testemunhas, que o assassinato teria sido motivado porque o engenheiro não queria que o filho participasse de protestos em uma escola em Goiânia. “Ele falou que preferia matar o filho ao vê-lo participar de um protesto”, contou uma das testemunhas ao delegado Hellyton Carvalho, adjunto da DIH, e que foi quem atendeu a ocorrência.

Guilherme Neto é filho da delegada aposentada da Polícia Civil de Goiás Rosália de Moura Rosa Silva. O revólver usado no assassinato e no suicídio foi apreendido pela Polícia Civil e encaminhado para o Instituto de Criminalística.

o_1b1mfkika1va937hijv13qu159ka
Fonte:Emaisgoias

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here