Grã-Bretanha estuda vídeo atribuído ao Estado Islâmico

video-estado-islamicoA Grã-Bretanha estuda nesta segunda-feira (4) um vídeo em que cinco homens acusados pelos jihadistas de espionagem são executados. Em uma das cenas é possível ver uma criança vestida em trajes militares e um militante mascarado que conversavam com um sotaque britânico.

Um dos combatentes diz na gravação que o premiê britânico, David Cameron, é um “imbecil” por desafiar o grupo e ameaça a Grã-Bretanha, depois de executar, com a ajuda de outros quatro jihadistas, cinco reféns que seriam espiões britânicos, segundo informações deste domingo (3) da organização que monitora o jihadismo, o SITE Intel Group.

Nas imagens, os supostos espiões aparecem ajoelhadas vestidos com uniformes vermelhos, diante de uma fileira de jihadistas mascarados e armados.

Segundo o jornal “The Independent”, os reféns dizem que espionam em nome das forças de segurança do governo britânico.

Ainda de acordo com o jornal, o homem mascarado diz para a câmera que a mensagem é dirigida ao premiê Cameron, um “imbecil” e “escravo da Casa Branca”.

O vídeo termina com a criança com trajes militares, segundo o jornal, dizendo: “mataremos os não religiosos ali”. O grupo jihadista já havia exposto crianças em outros vídeos com execuções.

Bombardeios britânicos na Síria
No início de dezembro, o Parlamento britânico aprovou a participação da força aérea britânica na campanha de bombardeios contra o grupo jihadista na Síria, ao final de um longo e tenso debate. A medida foi defendida por Cameron, que chamou de “simpatizantes de terroristas” aqueles que se opuseram a ela.

O EI já era alvo da força aérea da Grã-Bretanha no Iraque, como parte da coalizão que une Estados Unidos, França, Rússia e outros países. Os primeiros ataques britânicos contra alvos do EI na Síria foram realizados no dia 3 de dezembro, poucas horas depois da aprovação do Parlamento.

O voto do Parlamento britânico a favor dos ataques aéreos contra o grupo Estado Islâmico “é a melhor decisão para preservar a segurança do país”, afirmou Cameron. “O Parlamento tomou a melhor decisão para preservar a segurança do país – a ação militar na Síria faz parte de uma estratégia maior”, escreveu no Twitter, após a decisão.

Execução de suposto espião russo
No dia 2 de dezembro, o grupo divulgou um vídeo em que mostrava a decapitação de um suposto espião russo na Síria, o primeiro vídeo do grupo mostrando aparentemente a execução de um russo desde que Moscou começou a realizar ataques aéreos sobre a Síria, em 30 de setembro, para apoiar o regime de Bashar al-Assad.

Ataques da coalizão árabe-curda
Uma coalizão árabe-curda – formada pelas Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG), a principal milícia curda, e grupos rebeldes árabes que lutavam juntos há muito tempo – também ataca territórios controlados pelo EI.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) informou neste domingo que pelo menos 16 combatentes do EI foram mortos em confrontos no norte da Síria, perto do reduto jihadista de Raqa.

Os jihadistas lançaram em 30 de dezembro uma ofensiva contra várias localidades nas mãos das Forças Democráticas da Síria (FDS), perto de Ain Issa, uma cidade controlada pela mesma coalizão e localizada cerca de 50 km ao norte de Raqa, a “capital” de fato do EI na Síria.
Sábado à noite, “16 jihadistas foram mortos e 19 feridos” na batalha perto de Ain Issa com os homens das FDS, que tomaram mais uma pequena cidade, informou o diretor o OSDH, Rami Abdel Rahman.

Ataques dos EUA e aliados
Os Estados Unidos e a seus aliados realizaram 26 ataques contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria no sábado (2), disse a coligação líder das operações em comunicado neste domingo (3).

Na Síria, um ataque ocorreu perto de Manai, atingindo um uma unidade tática do Estado Islâmico e destruindo quatro edifícios do Estado Islâmico e um veículo, disse a Força-Tarefa Combinada Conjunta neste domingo.
A coalizão também atacou alvos próximos a Deir al Zor, Ayn Isa, e Washiyah.
No Iraque, perto de Ramadi, sete ataques atingiram uma unidade tática do Estado Islâmico e destruíram veículos táticos, além de edifícios do Estado Islâmico.
Outros ataques atingiram perto de Fallujah, Kirkuk, Kisik, Mosul, Qayyarah, Sinjar, Sultan Abdallah, e Tal Afar, disse o comunicado.

 

Fonte: G1

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here