A falta de funcionários e a estrutura precária no Instituto Médico Legal (IML) de Ariquemes (RO), na região do Vale do Jamari, foram denunciadas pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de Rondônia (Cremero). Segundo o órgão, o único médico legista que estava atendendo no local pediu afastamento por sobrecarga de trabalho. A população que precisar de atendimento poderá ter que  se deslocar à Porto Velho.

De acordo com o Conselho, a precariedade nas instalações do IML atingem a rede elétrica. O prédio não possui sala própria para a necrópsia, e as autópsias são feitas na parte externa do IML, em uma varanda que não tem iluminação. Como o local não é coberto, quando chove os funcionários são obrigados a interromper os exames. No prédio, há falta de equipamentos e o pouco encontrado está quebrado, como é o caso da maca para exames ginecológicos.

IML de Ariquemes, atende toda a demanda dos oito municípios da Região do Vale do Jamari  (Foto: Cremero/Divulgação)
IML de Ariquemes, atende toda a demanda dos oito municípios da Região do Vale do Jamari (Foto: Cremero/Divulgação)

Além das más condições na infraestrutura do IML, o local ainda enfrenta o problema da falta de profissionais. Conforme o vice-presidente do Cremero, Andrei Leornardo, disse em entrevista à Rede Amazônica, dos quatro médicos legistas que estavam na escala, um entrou de férias, dois estão afastados por problema de saúde, e o único médico legista que estava trabalhando pediu afastamento por sobrecarga de trabalho.

Desde então, “todos os pacientes ou todas as pessoas que precisam do IML estão vindo para Porto Velho”, comentou Leonardo.

No IML, são feitos exames que ajudam a polícia a investigar crimes, mas a unidade de Ariquemes, que atende toda a demanda dos oito municípios da Região do Vale do Jamari, chega a ficar fechada em alguns períodos do dia. A população que precisar do serviço de um legista poderá ter que ir até Porto Velho para ser atendida.

Sobre os problemas na infraestrutura, a Polícia Civil informou à reportagem da Rede Amazônica que está em andamento uma licitação para construir um centro de criminalística em Ariquemes, onde vai funcionar o novo prédio do IML, mas não há data  para o início da obra.

Quanto à falta de profissionais, a Polícia Civil disse que, no mês de fevereiro, os servidores que estão de férias devem retornar ao trabalho. E que houve redução no efetivo de médicos legistas, por causa de licença médica e licença prêmio. Explicou ainda que apenas em casos extremos, os exames serão realizados em Porto Velho. Pois, médicos do Estado podem ser nomeados para atuar enquanto houver defasagem no quadro de servidores.


 

Fonte: G1

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here