Sicoob gif

Três agricultores do movimento sem terra estão desaparecidos desde 14 de dezembro em uma área de conflito agrário no município de Canutama (AM), na divisa com o estado de Rondônia. De acordo com a Polícia Militar (PM), um dos desaparecidos é ex-brigadista do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Conforme informações da equipe de resgate, composta por oito homens da PM e seis do Corpo de Bombeiros de Rondônia, Flávio de Lima de Souza, Marinalva Silva de Souza e Jairo Feitosa foram vistos pela última vez há quatro dias, quando tiravam fotos nos fundos de uma área invadida.

A propriedade onde os três agricultores estavam é alvo de um processo na Justiça do AM e a posse da mesma está sendo discutida entre autoridades.

A família de Flávio, que é ex brigadista do ICMBio, só soube do desaparecimento dele e das outras duas pessoas neste fim de semana, em Porto Velho.

 
Flávio Lima de Souza já foi chefe do esquadrão de brigadistas (Foto: Arquivo Pessoal)
Flávio Lima de Souza já foi chefe do esquadrão de brigadistas (Foto: Arquivo Pessoal)

Em entrevista à Rede Amazônica, a mulher de Flávio disse não acreditar que o marido e os colegas se perderam na região, pois eles conheciam toda a área da proriedade.

“Eles entraram lá para tirarem fotos que foram solicitadas para serem entregues ao Incra, conforme ação que está ocorrendo na Justiça, que foi ganho a causa pra gente, pois estamos lá na área. Na ida que eles foram para tirarem essas fotos acabaram sumindo e outras pessoas que estavam com eles voltaram desesperados avisando do sumiço dos amigos”, afirma Rosiane Moraes.

 

A esposa de Flávio também disse que os agricultores já estavam sendo ameaçados em Canutama.

“Algumas manilhas colocadas na entrada da área de conflito foram arrancadas com tratores. Nós fomos em Humaitá (AM), falamos com delegado e fizemos registro de ocorrência na época”, ressaltou em entrevista.

O comando da PM em Rondônia informou que ainda nesta segunda-feira vai pedir para que a PM e o Corpo de Bombeiros do Amazonas assumam as buscas dos três desaparecidos.

Por meio de nota, o ICMBio ressaltou que Flávio trabalhou no órgão como chefe do esquadrão de brigadistas do Parque Nacional Mapinguari. O contrato com o mesmo, segundo o órgão, foi encerrado no dia 31 de outubro deste ano e atualmente Flávio não tem qualquer vínculo com o ICMBio.


Fonte: G1

Comente esta postagem via Facebook
COMPARTILHE

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here