Depois de realizar o sonho de conhecer a cabine de um avião e ser ‘piloto’ por um dia, o homem que construiu uma casa no formato de um avião disse nesta segunda-feira (9) que está ainda mais entusiasmado para terminar o projeto da casa-avião, em Porto Velho. “O sonho não acabou. Quero fazer um museu na aeronave para contar toda essa trajetória”, afirma Geraldo Aráujo de 63 anos.

A viagem de seu Geraldo, junto com a equipe do Fantástico, começou em Porto Velho e seguiu até Campinas (SP)  Ao G1, Geraldo falou da experiência única que viveu durante a viagem.

O técnico em eletrônica relembra que as surpresas iniciaram já no check-in, ainda na capital de Rondônia.

“A moça do balcão perguntou se eu era o homem da casa-avião. Aí a Bruna, a repórter que estava comigo, olhou para mim e falou com um sorriso que as pessoas estavam me reconhecendo. Depois na sala de embarque também. Foi muito legal!”, fala empolgado. 

 
 
Geraldo conta a experiência de realizar sonho de pilotar avião em simulador
Geraldo conta a experiência de realizar sonho de pilotar avião em simulador

Após sair de Porto Velho, durante umaconexão em Cuiabá (MT), Geraldo conta que se sentiu uma ‘celebridade’, pois o piloto convidou para ele conhecer a cabine do avião.

“O avião estava parado e eu ouvi do interforne que o piloto chamava uma celebridade. Eu fiquei meio confuso, mas a repórter falou que era eu. Aí fui andando até a cabine e vi que era bem diferente do que eu tinha feito aqui em casa. Percebi que o degrau é mais alto e não mais baixo, como fiz no meu avião. Fiquei esperto! Fiz várias perguntas ao piloto e olhava tudo isso para fazer igual no meu”, conta.

 
Depois de ver de perto o painel em cabine de avião, Geraldo fala de ajustes que serão necessários em protótipo (Foto: Jheniffer Núbia / G1)
Depois de ver de perto o painel em cabine de avião, Geraldo fala de ajustes que serão necessários em protótipo (Foto: Jheniffer Núbia / G1)

Enquanto seguia a viagem para Campinas, onde fica o simulador de vôo, o técnico em eletrônica falou que foi a atração entre as comissárias de bordo.

“Quando a gente já estava voando, de novo, eu fui no toalete. Vi uma salinha e perguntei para as comissárias de bordo se era lá o banheiro e elas, todas educadas, me falaram que sim, mas pediram que eu voltasse com elas para tirar selfies. Depois que sai do banheiro elas pegaram o quepe do piloto e foi só festa. Tive que tirar foto com cada uma e depois com todas. Foi bem divertido”, lembra.

 
Entre as comissárias de bordo, Geraldo diz ter se sentido uma celebridade  (Foto: Geraldo Araújo / Arquivo pessoal)
Entre as comissárias de bordo, Geraldo diz ter se sentido uma celebridade (Foto: Geraldo Araújo / Arquivo pessoal)

Já em Campinas, Geraldo conta como foi surpreendido pela equipe de reportagem, que o levou até o simulador de vôo para ser ‘piloto’ por um dia.

“Eles me colocaram em uma sala e me falaram que eu iam cantar, mesmo sem eu ter levado um violão. Mas aí depois eles me chamara m para outra salinha e chegando lá vi um avião bem grande. Aí a repórter falou que era para eu entrar no avião porque ela ia me entrevistar. Aí entrei , mas era para eu pílotar mesmo. O piloto me deu uns treinamentos e foi! Fiz todo o processo e fiz a decolagem”, fala.

 
Geraldo durante simulação de vôo em Campinas (SP) (Foto: Geraldo Araújo /Arquivo pessoal)
Geraldo durante simulação de vôo em Campinas (SP) (Foto: Geraldo Araújo /Arquivo pessoal)

Durante a simulação, o técnico em eletrônica diz que passou por uma turbulência, mas que se manteve calmo.

“Eles provocaram uma turbulência, acho que para me assustar, mas fiquei tranquilo e disse que ele havia me ensinado alguma coisa errada (risos). Eu falei para ele que eu era um bom motorista há mais de 40 anos e com certeza seria um bom piloto também”, conta.

Sítio movimentado

Depois da popularidade da casa-avião, a cunhada, prima de Geraldo e vizinha da frente da construção conta que a movimentação de pessoas aumentou no sítio do idoso.

” Sempre chega um ou outro perguntando sobre o Geraldo. Eles querem conversar com ele para entrar na casa, mas como ele está na cidade e eu não fico com chave, acabam tirando só fotos. Toda hora tem alguém por aqui agora”, relata.

 
'O sonho ainda não acabou' fala Geraldo  (Foto: Jheniffer Núbia / G1)
‘O sonho ainda não acabou’ fala Geraldo (Foto: Jheniffer Núbia / G1) Sonho não acabou

Após vivier as emoções de pilotar um simulador de avião, Geraldo conta que seguirá os dias investindo no término da construção da casa-avião.

“Assim como todo avião, eu tenho uma caixa preta na minha cabeça e só agora é que estão conseguindo abrir, com a ajuda dos repórteres. Eu ainda não morri! Quero continuar escrevendo a minha história. Ainda tenho o sonho de terminar minha casa e, depois dela pronta, criar um museu que vai relatar cada passo que foi preciso dar até o fim do sonho”, conta.

Conhecendo a cabine do piloto de perto pela primeira vez, Geraldo fala que se deu conta de que terá que fazer alguns ajustes no painel que fez para a casa-avião.

“Dos vídeos que eu vi na internet não dava para perceber os detalhes, mas quando entrei na cabine pude ver pessoalmente que terei que fazer algumas modificações”, afirma.


Fonte: G1

Comente esta postagem via Facebook
COMPARTILHE

COMENTE

Please enter your comment!
Please enter your name here